Economia STF valida incidência de Imposto de Renda sobre depósitos bancários

STF valida incidência de Imposto de Renda sobre depósitos bancários


Decisão vale para depósitos que a Receita presumir que podem ser faturamento e não tiveram origem comprovada.

O STF decidiu que é constitucional a incidência de Imposto de Renda sobre receitas depositadas em conta corrente cuja origem não foi comprovada pelo titular, desde que ele tenha sido intimado para tanto. 

Ou seja, a decisão vale para os casos em que a Receita Federal presumir que tais valores representam receita ou faturamento e houve uma omissão por parte da pessoa física ou jurídica.

Julgamento em plenário virtual se encerrou nesta sexta-feira, 30. Maioria dos ministros seguiu voto divergente do ministro Alexandre de Moraes.

Em setembro de 2015, o STF reconheceu a repercussão geral de disputa sobre a incidência do Imposto de Renda sobre depósitos bancários de origem não comprovada. O tema estava sob relatoria do ministro Marco Aurélio, em RE no qual um contribuinte questiona a tributação, prevista no artigo 42 da lei 9.430/96.

“Art. 42. Caracterizam-se também omissão de receita ou de rendimento os valores creditados em conta de depósito ou de  investimento mantida junto a instituição financeira, em relação aos quais o titular, pessoa física ou jurídica, regularmente intimado, não comprove, mediante documentação hábil e idônea, a origem dos recursos utilizados nessas operações.”

Decisão do TRF da 4ª região assentou a constitucionalidade do dispositivo segundo o qual, identificados depósitos de origem não comprovada, fica autorizado o Fisco a constituir crédito tributário sobre o total dos depósitos. Nesse caso, ficaria caracterizada omissão de rendimentos, autorizando a tributação. Pela decisão, os valores em questão constituem acréscimo patrimonial do contribuinte, caracterizando fato gerador do IR. Segundo esse entendimento, não são objeto da tributação os valores dos depósitos, e sim os rendimentos representados pela movimentação financeira do contribuinte, recaindo o imposto sobre acréscimo patrimonial não declarado.

Já o recorrente argumentava que a lei estabelece novo fato gerador do IR, ao prever tributação de depósitos bancários, o que exige a edição de LC, uma vez que não se confundem os valores do depósito com lucro ou acréscimo patrimonial. A apuração do imposto, diz, foi praticada unicamente com base em fato presumido, sem observância aos princípios da capacidade contributiva, da proporcionalidade e da razoabilidade.

Votos

Ministro Marco Aurélio, relator, proveu o recurso extraordinário para, reformando o acórdão recorrido, assentar a nulidade dos lançamentos efetuados com base no artigo 42 da lei 9.430/96. Para ele, não cabe presumir que todos são sonegadores, e

“é incompatível, com a CF, o artigo 42 da lei 9.430/96, a autorizar a instituição de créditos do imposto de renda tendo por base, exclusivamente, valores de depósitos bancários cuja origem não seja comprovada pelo contribuinte no âmbito de procedimento fiscalizatório”.

Prevaleceu, no entanto, o voto divergente do ministro Alexandre de Moraes. Para ele, a lei não ampliou o fato gerador da obrigação tributária. Segundo o CTN, destacou o ministro,

“o aspecto material da regra matriz de incidência do Imposto de Renda é a aquisição ou disponibilidade de renda ou acréscimos patrimoniais”.

Para Moraes, o raciocínio permitira que, para se furtar da obrigação de pagar o tributo e impedir que o Fisco procedesse ao lançamento tributário,

“bastaria que o contribuinte fizesse mera alegação de que os depósitos efetuados em sua conta corrente pertencem a terceiros, sem se desincumbir do ônus de comprovar a veracidade de sua declaração”.

“A omissão de receita resulta na dificuldade de o Fisco auferir a origem dos depósitos efetuados na conta corrente do contribuinte, bem como o valor exato das receitas/rendimentos tributáveis, o que também justifica atribuir o ônus da prova ao correntista omisso.”

O voto do ministro foi seguido por Edson Fachin, Cármen Lúcia, Luiz Fux, Luís Roberto Barroso, Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski e Rosa Weber.

Jefferson Felipe 07 maio 2021 - 14:15m

0 Comentários

Deixe uma resposta


JCL (Grande)
Immobilis Negócios Imobiliários
Coroa Imports (Grande)
Studio93 (Grande)
Frota Custon (Grande)
Acqua Pet Capibaribe (Grande)
Bezerra Poços (Grande)
Clim Center (Grande)
Farma Fácil (Grande)
Império dos Camarões (Grande)

Richard Martyns (Lateral)
Unicesumar EAD (Grande)
Bruno Assistência (Grande)
Best Net
Arrumadinho (Grande)
Instituto Olavo Bilac (Grande)
CNA (Grande)
Real Tags e Etiquetas (Grande)
Frota Custon (Grande)
Cabeça Gesso (Grande)

VÍDEO EM DESTAQUE

Instituto Olavo Bilac (Lateral)
Escolinha Geração XXI (Lateral)
Ana Laura Personalizados (Lateral)
Santa Cruz Cap (Lateral)
Dr. Leonardo Brito (Lateral)
Localiza Moda (Lateral)
Academia Saúde e Forma (Lateral)
Unicesumar Santa Cruz (Lateral)
House Club (Lateral)
Simone Joias (Lateral)
Lis Bambini (Lateral)
Tintas Quimilson (Lateral)
Clim Center (Lateral)
Real Tags e Etiquetas (Lateral)
Acqua Pet Capibaribe (Lateral)
Autoescola Nossa Senhora das Graças (Lateral)
Agreg Comunicação (Lateral)
Clínica Vitta (Lateral)
Sign Digital (Lateral)
Coroa Imports (Lateral)
Richard Martyns (Lateral)
JCL (Lateral)
Design Riscos (Lateral)
Studio 93 (Lateral)
Bruno Assistência (Lateral)
Immobilis (Lateral)
Moda Center (Lateral)
CNA Santa Cruz (Lateral)
BestNet (Lateral)
Val Games (Lateral)
RC Tecidos (Lateral)
Império dos Camarões
Aplicativo