Cotidiano Paulo Câmara sanciona lei que torna igrejas e templos religiosos essenciais durante a pandemia em Pernambuco

Paulo Câmara sanciona lei que torna igrejas e templos religiosos essenciais durante a pandemia em Pernambuco


Projeto que deu origem à lei foi apresentado pelo deputado estadual Pastor Cleiton Collins (PP) e foi aprovado em dois turnos pela Alepe.

O governador Paulo Câmara (PSB) sancionou, na manhã desta segunda-feira (10), a lei que classifica igrejas e templos religiosos como serviços essenciais durante situações de calamidade pública, como a pandemia de covid-19, em Pernambuco. A cerimônia de sanção foi realizada virtualmente e contou com a participação, além do chefe do Poder Executivo estadual, de parlamentares da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe).

O projeto que deu origem à lei foi apresentado pelo deputado estadual Pastor Cleiton Collins (PP) e foi aprovado em dois turnos pela Alepe, após idas e vindas das comissões e articulação da bancada evangélica. Nas duas votações, a matéria recebeu 46 votos favoráveis e dois contrários, do mandato coletivo das Juntas (PSOL) e do deputado João Paulo (PCdoB). 

Durante a cerimônia de sanção, Collins disse que a lei reafirma a importância das igrejas e da fé.

“A todo tempo a Igreja é importante, mas neste momento de pandemia, é ela quem está próximo da população e cuidar do espiritual. Agora com a sanção, nenhuma igreja será fechada. Pode ter culto on-line ou presencial, mas não pode fechar suas portas. Todas as atividades devem continuar funcionando”, defendeu.

O principal ponto do projeto, porém, acabou sofrendo alterações com o Substitutivo da Comissão de Administração Pública da Casa, versão que foi aprovada. Tratava-se da permissão para que os templos mantivessem atividades presenciais e remotas “em tempos de crises ocasionadas por agravos endêmicos contagiosos na saúde ou catástrofes naturais”, como é o caso da pandemia da covid-19 atualmente. 

Em contrapartida, determinava que fossem obedecidas as recomendações da Secretaria de Saúde de Pernambuco, além de recomendar que as reuniões coletivas ocorressem de forma remota, mas se não fosse possível, realizá-las presencialmente, observando a distância mínima de um metro e meio entre os participantes.

O Substitutivo permite que o Governo de Pernambuco restrinja eventos presenciais nas instituições religiosas no caso de circunstâncias excepcionais, por meio de decreto estadual.

“Conseguimos chegar a um entendimento que garante a essencialidade das igrejas, mas prevê a imposição de limites por gestores e autoridades de saúde em determinadas ocasiões”, disse durante a sessão o deputado Tony Gel (MDB), relator do projeto na Comissão de Administração. 

Para Cleiton Collins, o novo texto não inviabiliza a demanda das igrejas, apenas retifica os vício de inconstitucionalidade.

“A igreja vai atender todos as regras do momento epidemiológico, mas não mudou não (o propósito do projeto). A igreja não poderá ser mais fechada, porque ela é essencial, não existe meio essencial”, afirmou. 

Ele argumenta que o projeto não foi criado para promover aglomerações, mas para garantir a atuação da igreja em diversas áreas, como a de assistência social.

“A igreja no setor administrativo tem vários departamentos que não podem parar em tempo de calamidade porque a OMS reconhece a espiritualidade como cura, nós somos seres espirituais e seres materiais”, afirmou Collins. 

O deputado João Paulo foi o autor do parecer pela inconstitucionalidade do projeto na Comissão de Constituição, Legislação e Justiça (CCLJ), aprovado em 8 de março. Ele entendeu que é atribuição exclusiva do Poder Executivo definir quais atividades são essenciais, como está previsto na Lei Federal 13.979/2020.

“Não questionei, em momento algum, o papel das igrejas e da fé”, disse durante a sessão. 

Ele fez um discurso na sessão criticando o que chamou de “fundamentalismo religioso” e justificou o seu posicionamento contra o teor do projeto.

“A liberdade de culto, que defendo por princípio e opção de vida, que inclusive está garantida na nossa Constituição, não pode ser usada contra o direito à vida”, disse. 

Histórico

A matéria apresentada ainda em 2020 voltou a pauta da Alepe em meio à quarentena implementada em Pernambuco que restringiu inicialmente o funcionamento dos serviços não-essenciais das 22h às 5h, de 27 de fevereiro até 10 de março.

Diante do agravamento da pandemia em Pernambuco, foi instaurada uma quarentena ainda mais rígida entre 18 e 31 de março, ficando proibido o funcionamento das atividades econômicas e sociais não essenciais em qualquer dia e horário em todo o estado. As atividades religiosas atualmente são consideradas não essenciais.

A partir de uma articulação da bancada cristã, o parecer da CCLJ foi derrotado pelo plenário. Em seguida, recebeu parecer favorável das comissões de Saúde e Direitos Humanos. Quando seguiu para a Comissão de Administração, foi apresentado o Substitutivo e ele voltou para uma nova análise nos outros colegiados.

O Substitutivo nº 01/2021 ao Projeto de Lei Ordinária nº 1094/2020 já havia sido aprovado pela CCLJ no dia 15 de abril. Mas antes, em 8 de março, o colegiado havia declarado o texto-base inconstitucional, por entender que é atribuição exclusiva do Poder Executivo definir quais atividades são essenciais, como está previsto na Lei Federal 13.979/2020. 

O tema entrou na pauta do Supremo Tribunal Federal (STF) no início de abril, depois que o ministro Kasio Nunes Marques decidiu liberar cultos presenciais em todo o País, por meio de uma decisão liminar. O ministro Gilmar Mendes se opôs à medida ao negar pedido de suspensão o decreto que vigorava no estado de São Paulo proibindo as celebrações presenciais, apresentado pelo PSD. Em 9 de abril, o STF decidiu, por nove votos a dois, referendar o entendimento de Gilmar Mendes de que não é inconstitucional proibir a realização de celebrações presenciais durante a pandemia da covid-19. 

  • Após decisão do STF, Bolsonaro defende manter igrejas e templos abertos

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) defendeu a abertura dos templos, baseado no artigo 5º da Constituição Federal, que entre outros pontos, assegura a liberdade de culto e de crença. Em 26 de março, ele havia publicado um decreto que incluía na lista de serviços considerados essenciais os templos religiosos e lotéricas. 

Bruno Muniz 10 maio 2021 - 14:40m

0 Comentários

Deixe uma resposta


Kits Elásticos (Grande)
WG Aviamentos (Grande)
Iran Bikes (Grande)
Novo Atacarejo (Grande)
Mateus Assistência (Grande)
Gelar Climatização (Grande)
Pernambuco Proteção Veicular (Grande)
ASCAP (Grande)
Dra. Patrícia Queiroz (Grande)
Amanda Barros (Grande)

Dr. Leonardo Brito (Grande)
Bahia Ferragens (Grande)
Chiquinho Sorvetes (Grande)
Quero Sandálias (Grande)
ASCAP (Grande)
Instituto Olavo Bilac (Grande)
Cabeça Gesso (Grande)
Kits Elásticos (Grande)
Iran Bikes (Grande)
Valloriza (Grande)

MATÉRIA EM DESTAQUE

Escolinha Geração XXI (Lateral)
ASCAP (Lateral)
WG Aviamentos (Lateral)
Dr Napoleão Bezerra (Lateral)
Iran Bikes (Lateral)
Mateus Assistência (Lateral)
Immobilis Negócios Imobiliários (Lateral)
Arrumadinho (Lateral)
Lis Bambini (Lateral)
Pernambuco Proteção Veicular (Lateral)
JCL (Lateral)
Sistemax (Lateral)
Novo Atacarejo (Lateral)
Kits Elásticos (Lateral)
Athom (Lateral)
Valloriza (Lateral)
Dr. Leonardo Brito (Lateral)
Moda Center (Lateral)
House Club (Lateral)
Cabeça Gesso (Lateral)
Sign Digital (Lateral)
Instituto Olavo Bilac (Lateral)
Agreg Comunicação (Lateral)
BestNet (Lateral)
Chiquinho Sorvetes (Lateral)
Gelar Climatização (Lateral)
Mandacaru Açaiteria (Lateral)
Val Games (Lateral)
Farma Fácil (Lateral)
Amanda Barros (Lateral)
Oficina dos Óculos (Lateral)
220 Cabeamentos (Lateral)
Ana Laura Personalizados (Lateral)
Quero Sandálias (Lateral)
Postos Badu (Lateral)
Bahia Ferragens (Lateral)
Unicesumar Santa Cruz (Lateral)
Dra Patrícia Queiroz (Lateral)
RC Tecidos (Lateral)
Aplicativo