Cotidiano Indústrias abrem espaço para mão de obra de reeducandas

Indústrias abrem espaço para mão de obra de reeducandas


As mulheres estão na produção, montagem e venda de grandes fábricas, e na embalagem de artigos para festas.

A oportunidade de se ressocializar e voltar ao mercado de trabalho é oferecida por empresários do estado a mulheres reeeducandas do regime aberto ou livramento condicional. A fábrica de bicicletas Zummi e a indústria Indapol, de artigos para festas, são dois exemplos de empresas parceiras do setor de empregabilidade do Patronato Penitenciário, órgão da Secretaria de Justiça e Direitos Humanos (SJDH). As duas juntas empregam 33 mulheres.

Na produção e montagem das magrelas, muito utilizada nos dias atuais, estão 15 reeducandas. Trinta mãos femininas produzindo os modelos: de carga, passeio e até de competição. Além disso, atuam nos setores de Venda e Atendimento ao Cliente (SAC), na loja de fábrica, localizada na Av. Dantas Barreto. Antes de assumirem essas funções, elas passam por momentos de integração e treinamento, com o objetivo de aprenderem sobre o desempenho das atividades.

L.O., 55 é a mais antiga na fabricação das bicicletas.

“Quando saímos da unidade nos sentimos perdidas, e Deus me deu esta oportunidade para mudar de vida. Termino a pena em novembro”, conclui.

Já na Indapol, o carro chefe são as forminhas coloridas, de vários tamanhos e modelos para festas, produzidas e embaladas por 18 mulheres, que encontraram na atividade o caminho para o respeito e a cidadania. Elas ajudam na produção e embalagem de 160.000 formas por mês.

“Preferimos as reeducandas, pois nossas peças têm muitos detalhes de acabamento e elas realizam com paciência”, explica Wagner Barros, proprietário da empresa.

Atualmente, 1.240 reeducandos do regime aberto estão trabalhando no estado, sendo 215 do sexo feminino.

De acordo com o secretário de Justiça e Direitos Humanos, Pedro Eurico, “um terço do público feminino do Patronato Penitenciário está empregado nos convênios, as mulheres têm menos rotatividade no emprego, mas são comprometidas e isso facilita bastante na hora de empregá-las. Nesse contexto, mudar a vida dessas pessoas e, além disso, trazer produtividade para o empresário é a tônica do nosso trabalho. Todos ganham com isso”, acrescenta.

Pelo trabalho, as reeducandas são remuneradas, de acordo com a Lei de Execuções Penais, com um salário mínimo (R$ 1.045, 00), alimentação e transporte. Por sua vez, os empresários têm uma economia de 40% nos encargos trabalhistas.

A oportunidade de se ressocializar e voltar ao mercado de trabalho é oferecida por empresários do estado a mulheres reeeducandas do regime aberto ou livramento condicional. A fábrica de bicicletas Zummi e a indústria Indapol, de artigos para festas, são dois exemplos de empresas parceiras do setor de empregabilidade do Patronato Penitenciário, órgão da Secretaria de Justiça e Direitos Humanos (SJDH). As duas juntas empregam 33 mulheres.

Na produção e montagem das magrelas, muito utilizada nos dias atuais, estão 15 reeducandas. Trinta mãos femininas produzindo os modelos: de carga, passeio e até de competição. Além disso, atuam nos setores de Venda e Atendimento ao Cliente (SAC), na loja de fábrica, localizada na Av. Dantas Barreto. Antes de assumirem essas funções, elas passam por momentos de integração e treinamento, com o objetivo de aprenderem sobre o desempenho das atividades.

L.O., 55 é a mais antiga na fabricação das bicicletas.

“Quando saímos da unidade nos sentimos perdidas, e Deus me deu esta oportunidade para mudar de vida. Termino a pena em novembro”, conclui.

Já na Indapol, o carro chefe são as forminhas coloridas, de vários tamanhos e modelos para festas, produzidas e embaladas por 18 mulheres, que encontraram na atividade o caminho para o respeito e a cidadania. Elas ajudam na produção e embalagem de 160.000 formas por mês.

“Preferimos as reeducandas, pois nossas peças têm muitos detalhes de acabamento e elas realizam com paciência”, explica Wagner Barros, proprietário da empresa.

Atualmente, 1.240 reeducandos do regime aberto estão trabalhando no estado, sendo 215 do sexo feminino.

De acordo com o secretário de Justiça e Direitos Humanos, Pedro Eurico, “um terço do público feminino do Patronato Penitenciário está empregado nos convênios, as mulheres têm menos rotatividade no emprego, mas são comprometidas e isso facilita bastante na hora de empregá-las. Nesse contexto, mudar a vida dessas pessoas e, além disso, trazer produtividade para o empresário é a tônica do nosso trabalho. Todos ganham com isso”, acrescenta.

Pelo trabalho, as reeducandas são remuneradas, de acordo com a Lei de Execuções Penais, com um salário mínimo (R$ 1.045, 00), alimentação e transporte. Por sua vez, os empresários têm uma economia de 40% nos encargos trabalhistas.

Jefferson Felipe 21 out 2020 - 16:57m

0 Comentários

Deixe uma resposta


Clim Center (Grande)
JCL (Grande)
Farma Fácil (Grande)
RC Tecidos (Grande)
Império dos Camarões (Grande)
Immobilis Negócios Imobiliários
Bezerra Poços (Grande)
Cetias (Grande)
Instituto Olavo Bilac (Grande)

Jasfac (Grande)
Polo da Moda Campina (Grande)
Best Net
Dr. Leonardo Brito
Alan Vidros (Grande)
Unicesumar EAD (Grande)
Arrumadinho (Grande)
Cabeça Gesso (Grande)
Simone Joias (Grande)
Real Tags e Etiquetas (Grande)

VÍDEO EM DESTAQUE

Unicesumar Santa Cruz (Lateral)
Império dos Camarões
Sign Digital (Lateral)
BestNet (Lateral)
Simone Joias (Lateral)
Moda Center (Lateral)
Design Riscos (Lateral)
Alan Vidros (Lateral)
Escolinha Geração XXI (Lateral)
VRC College (Lateral)
Real Tags e Etiquetas (Lateral)
Dr. Leonardo Brito (Lateral)
Clim Center (Lateral)
Instituto Olavo Bilac (Lateral)
Autoescola Nossa Senhora das Graças (Lateral)
HB Joias e Relógios (Lateral)
Lis Bambini (Lateral)
Immobilis (Lateral)
House Club (Lateral)
Tintas Quimilson (Lateral)
Val Games (Lateral)
JCL (Lateral)
Academia Saúde e Forma (Lateral)
RC Tecidos (Lateral)
Clínica Vitta (Lateral)
Polo da Moda de Campina Grande (Lateral)
Aplicativo