Cotidiano Pesquisa aponta que o Brasil ocupa o 104° lugar no ranking da saúde da mulher

Pesquisa aponta que o Brasil ocupa o 104° lugar no ranking da saúde da mulher


O Índice Global de Saúde da Mulher, realizado em mais de 122 países, revelou que cerca de 1.5 bilhão de mulheres com mais de 15 anos não visitaram o médico ou fizeram exames preventivos ao longo dos últimos anos. A edição também apresenta as condições que mais afetam a saúde feminina, entre elas estão: doenças cardíacas, sobrepeso, obesidade, HPV, doenças sexualmente transmissíveis e câncer. De acordo com o índice, o Brasil ocupa o 104° lugar no ranking e ainda enfrenta diversos desafios para assegurar a longevidade desse público que, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), representa hoje 51% da população. 

A ginecologista credenciada ao Cartão Saúde São Gabriel, Rebeca Avelar, destaca que manter visitas regulares ao médico e adotar hábitos saudáveis na rotina é fundamental para assegurar a saúde feminina. “É importante ter um bom sono e praticar atividades que permitam o controle do estresse no dia a dia, como exercícios físicos, além de ter uma boa alimentação e cessar o tabagismo. Manter a caderneta de vacinação atualizada também é fundamental e, para quem não tomou a vacina contra o HPV, é possível realizar a imunização até os 45 anos”, ressalta. A especialista ainda chama atenção para os riscos da obesidade, que é um dos maiores fatores para câncer de mama e outras doenças.

Segundo o Ministério da Saúde, 77,4% dos óbitos de mulheres são evitáveis, quando os devidos cuidados são adotados. Esse quadro que prejudica a saúde feminina se deve, principalmente, à dupla jornada que une atenção ao trabalho e à família, o que leva a não realização de exames periódicos. A profissional explica que, além da mamografia e exames para detectar lesões no colo do útero, é preciso se atentar a problemas crônicos que surgem com a idade. “Devemos lembrar que a principal causa de morte após a menopausa são as doenças do coração, como infarto e AVC, causadas principalmente pela hipertensão, diabetes e alterações do colesterol. Nessa faixa etária, ainda pode surgir uma doença silenciosa, a osteoporose, que pode causar fraturas e diminuir a expectativa de vida da mulher”. 

Observar os sinais e manter o acompanhamento com o ginecologista é a melhor forma de identificar e tratar transtornos precocemente. Além dos exames adequados para cada faixa etária, é importante conversar com o especialista em ginecologia sobre sexualidade e planejamento reprodutivo. “Outras situações, que interferem no dia a dia da mulher, muitas vezes são consideradas normais, mas não são. Não é esperado ter dor nas relações sexuais ou cólicas que atrapalhem atividades cotidianas. É fundamental observar se os ciclos menstruais são regulares, caso não, é recomendado a utilização de método hormonal. E, após a menopausa, não se espera mais nenhum sangramento ou que calores atrapalhem a qualidade de vida, se isso ocorrer, deve ser investigado”, finaliza.

Alisson Gabriel 27 maio 2024 - 10:46m

0 Comentários

Deixe uma resposta


1Farma (Grande)
Novo Atacarejo (Grande)
Mateus Assistência (Grande)
Valloriza / Jasfac
João Januário Tecidos (Grande)
APAE (Grande)
Integra Mais (Grande)
JCL (Grande)

Kits Elásticos (Grande)
Dra. Patrícia Queiroz (Grande)
Cabeça Gesso (Grande)
Mateus Assistência (Grande)
Mandacaru Açaíteria (Grande)
Sam’s Sushi (Grande)
RC Tecidos (Grande)
Moda Center (Grande)
Sistemax (Grande)
Moura & Lima (Grande)