Saúde “Mão, Pé, Boca”: Entenda os sintomas causados pela doença viral que afeta as crianças

“Mão, Pé, Boca”: Entenda os sintomas causados pela doença viral que afeta as crianças


doença mão-pé-boca (DMPB) é um agravo contagioso causado pelo vírus Coxsackie A16 pertencente à família dos enterovírus que habitam normalmente o sistema digestivo, podendo provocar estomatites (espécie de afta que afeta a mucosa bucal). Embora haja a possibilidade de acometimento em adultos, é mais comum na infância, antes dos cinco anos de idade (mais frequente dos 6 meses a 3 anos). Caracteriza-se por lesões na cavidade oral e erupções nas mãos e pés.

Sinais Característicos

A doença mão-pé-boca geralmente provoca:

  • Febre alta nos dias que antecedem o surgimento das lesões;
  • Aparecimento na boca, amídalas e faringe, de manchas vermelhas com vesículas branco-acinzentadas no centro que podem evoluir para ulcerações muito dolorosas;
  • Erupção de pequenas vesículas, em geral nas palmas das mãos e nas plantas dos pés e, ocasionalmente, nas nádegas e na região genital – geralmente as vesículas da doença típica são benignas e de curta duração;
  • Mal-estar, falta de apetite, vômitos e diarreia;
  • Dificuldade de deglutição e excesso de salivação, devido a dor.

Transmissão

A transmissão ocorre pela via fecal/oral, através do contato direto entre os indivíduos, ou com as fezes, saliva e outras secreções, bem como através de alimentos e fômites. O período de maior transmissão ocorre durante a primeira semana da doença. Entretanto, indivíduos podem algumas vezes permanecer infectantes por semanas após os sintomas desaparecerem. Mesmo depois da recuperação do indivíduo, o vírus pode ser transmitido pelas fezes durante aproximadamente 04 (quatro) semanas. O período de incubação oscila entre 01 (um) e 07(sete) dias. Na maioria dos casos, os sintomas são leves e podem ser confundidos com os do resfriado comum.

Diagnóstico

O diagnóstico em geral é clínico, sem necessidade de exames laboratoriais na maioria das vezes. Apesar da possibilidade de o indivíduo infectado permanecer eliminando o vírus nas fezes após já terem desaparecido as lesões da boca, mãos e pés, o maior risco de contágio ocorre durante a primeira semana de doença. É fundamental estabelecer o diagnóstico diferencial com outras doenças que também provocam estomatites aftosas ou vesículas na pele. O diagnóstico diferencial inclui herpangina, estomatite aftosa, varicela, sífilis secundária, sarampo e outras doenças exantemáticas.

Tratamento

Não existe vacina contra a enfermidade mão-pé-boca. Geralmente, como ocorre com outras infecções por vírus, o agravo regride espontaneamente após alguns dias. A doença comumente não é grave e quase todos os acometidos por ela se recuperam de sete a dez dias sem tratamento médico. Raramente um indivíduo infectado desenvolve meningite viral e pode necessitar ser hospitalizado por alguns dias. Outras complicações ainda mais raras incluem paralisia similar a poliomielite ou encefalite, que podem ser fatais. Desta forma, na maior parte dos casos, tratam-se apenas os sintomas. Medicamentos antivirais ficam reservados para os casos mais graves. O ideal é que o paciente permaneça em repouso, faça ingestão frequente de líquido e alimente-se bem, apesar da dor de garganta.

Recomendações

  • Nem sempre a infecção provoca todos os sintomas clássicos da síndrome. Há casos em que surgem lesões parecidas com aftas na boca ou as erupções cutâneas; em outros, a febre e a dor de garganta são os sintomas predominantes;
  • Alimentos pastosos, como purês e mingaus, assim como gelatina e sorvete, são mais fáceis de engolir;
  • Bebidas geladas, como sucos naturais, chás e água são indispensáveis para manter a boa hidratação do organismo, uma vez que podem ser ingeridos em pequenos goles;
  • Lavagem das mãos antes e depois de lidar com a criança doente, ou levá-la ao banheiro. Se ela puder fazer isso sozinha, insista para que adquira e mantenha esse hábito de higiene mesmo depois de curada;
  • Evitar, na medida do possível, o contato muito próximo com o paciente (como abraçar e beijar);
  • Cobrir a boca e o nariz ao espirrar ou tossir;
  • Manter um nível adequado de higienização da casa, das creches e das escolas;
  • Não compartilhar mamadeiras, talheres ou copos;
  • Afastar os indivíduos doentes da escola ou do trabalho até o desaparecimento dos sintomas (geralmente 5 a 7 dias após início dos sintomas);
  • Lavar superfícies, objetos e brinquedos que possam entrar em contato com secreções e fezes dos indivíduos doentes, com água e sabão e, após, desinfetar com solução de água sanitária diluída em água pura (1 colher de sopa de água sanitária diluída em 4 copos de água limpa);
  • Descartar adequadamente as fraldas e os lenços de limpeza em latas de lixo fechadas;
  • Desinfectar frequentemente superficíes e objetos que foram manuseados, tais como brinquedos ou maçanetas, especialmente, se alguém estiver doente.
Jefferson Elias 03 maio 2024 - 10:42m

0 Comentários

Deixe uma resposta


Novo Atacarejo (Grande)
JCL (Grande)
1Farma (Grande)
Mateus Assistência (Grande)
João Januário Tecidos (Grande)
Valloriza / Jasfac
Total (Grande)
Integra Mais (Grande)
APAE (Grande)

Sam’s Sushi (Grande)
Mandacaru Açaíteria (Grande)
Kits Elásticos (Grande)
RC Tecidos (Grande)
Auto Planos (Grande)
Cabeça Gesso (Grande)
Dra. Patrícia Queiroz (Grande)
Luciana Mendes (Grande)
Moda Center (Grande)
Mateus Assistência (Grande)