Cultura Festas juninas movimentam cadeias produtivas e têm impacto positivo na economia do Nordeste

Festas juninas movimentam cadeias produtivas e têm impacto positivo na economia do Nordeste


Antes mesmo de o mês começar, o Nordeste brasileiro já estava pronto para celebrar uma das tradições mais queridas do país: as festas juninas. Além de ser um momento de grande representatividade para a cultura local, essas festividades também desempenham um papel fundamental no impulsionamento do crescimento econômico regional, movimentando diversas cadeias produtivas relacionadas à cultura.

Os números impressionam: em Caruaru (PE), as informações do município são de que a festa movimentou no ano passado mais de R$ 500 milhões. Já em São Luís (MA), onde a festa de São João tem como ponto forte a tradição do bumba-meu-boi, a movimentação financeira esperada para 2023 é R$144 milhões, segundo dados oficiais do Governo do Estado. As prévias juninas, realizadas durante o mês de maio, já contaram com a participação de cerca de 15 mil pessoas na capital maranhense.

O economista e coordenador do curso de Administração do Centro Universitário Estácio São Luís, Diêgo Pinheiro, explica que a movimentação econômica relacionada a esse período inicia muito antes e se prolonga para até depois do mês de junho. “Em alguns casos, essa cadeia produtiva começa a reforçar suas atividades logo depois do Carnaval. Começa a produção das indumentárias e os setores alimentícios e de bebidas já começam a prever uma produção que vá atender a essa demanda sazonal. Em julho, que é um período de férias escolares, essa movimentação econômica tende a ficar fortalecida, inclusive com resquícios de algumas festas e arraiais que persistem nessa época”, afirma.

A confecção de indumentárias, os setores hoteleiros, de alimentos e de bebidas estão entre os mais influenciados pelas festas juninas, mas os impactos positivos, de acordo com o especialista, vão além desses setores. “O festejo junino promove resultados que geram emprego e renda não só para a cadeia envolta nos arraiais, mas para diversos outros setores, desde o produtor rural de milho, por exemplo, até os produtores de bebidas alcoólicas e não alcoólicas”, explica.

Outro setor beneficiado nessa época é o de artesãos e pequenos empreendedores. “ A maior parte das indumentárias e roupas típicas produzidas vem de artesãos e pequenos costureiros locais”, analisa.

TURISMO

Os setores turístico e hoteleiro da região nordestina também veem como extremamente positiva a realização da festa. No ano passado, a cidade de Caruaru (PE) recebeu mais de um milhão de visitantes só no Pátio de Eventos Luiz Lua Gonzaga, um dos principais pólos do evento. A ocupação hoteleira ultrapassou os 90%, segundo dados locais.

Para este ano, a expectativa é que a festividade seja responsável pela geração de quase 15 mil empregos diretos e indiretos. A economista e docente dos cursos de gestão do Unifavip Wyden de Caruaru, Eliane Alves, pontua que o São João é a época mais esperada por essa região do agreste pernambucano. “A expectativa é de um fôlego financeiro importante para a economia local, especialmente para o setor de serviços e o comércio”, analisa.

A especialista ressalta ainda que, diante de um cenário econômico em recuperação, a expectativa para a festa se torna ainda mais alta. “Diante de um cenário econômico nacional que ainda se mostra um tanto truncado no que diz respeito à geração de empregos e de aquecimento do consumo, as festas juninas são com certeza um momento de expectativas positivas para a economia local e regional”, conclui.

Bruno Muniz 14 jun 2023 - 21:39m

0 Comentários

Deixe uma resposta


Valloriza / Jasfac
1Farma (Grande)
Mateus Assistência (Grande)
JCL (Grande)
Integra Mais (Grande)
APAE (Grande)
Novo Atacarejo (Grande)
João Januário Tecidos (Grande)
Total (Grande)

Auto Planos (Grande)
Moda Center (Grande)
Novo Atacarejo (Grande)
Altas Horas Outlet (Grande)
Mandacaru Açaíteria (Grande)
M Mestre Empreendimentos (Grande)
RC Tecidos (Grande)
Sam’s Sushi (Grande)
Moura & Lima (Grande)
APAE (Grande)