Destaques “Bolsonaro trata caminhoneiros como otários e vai encarar uma greve sem precedentes”, diz Dedeco, líder da greve de caminhoneiros de 2018

“Bolsonaro trata caminhoneiros como otários e vai encarar uma greve sem precedentes”, diz Dedeco, líder da greve de caminhoneiros de 2018


Líder dos caminhoneiros, Wanderlei Alves, conhecido como Dedeco, anunciou nesta quinta-feira (10/3) paralisações do setor em pelo menos quatro estados contra o aumento de até 24,9% imposto pela Petrobras ao preço de gasolina, diesel e gás. Dedeco citou paralisações em São Paulo, Paraná, Mato Grosso e Pará, começando nesta quinta-feira (10/3) e nesta sexta-feira (11/3).

Segundo Dedeco, protestarão com paralisações o Sindicato Nacional dos Cegonheiros (Sinaceg), em São Bernardo do Campo (SP) e o Sindicato dos Transportadores Rodoviários de Veículos Automotores (Sintravam), em São José dos Pinhais (PR).

O caminheiro que conduziu a greve de caminhoneiros em 2018 disse ainda que caminhoneiros de Sinop (MT) prometeram parar caminhões na BR-163 na cidade, além de Rondonópolis (MT) e Novo Progresso (PA). A rodovia federal corta o país do Rio Grande do Sul ao Pará. Em um comunicado, caminhoneiros afirmam que não impedirão a passagem de ônibus, ambulâncias, alimentos perecíveis ou automóveis.

“Bolsonaro trata os caminhoneiros como otários e vai encarar uma greve sem precedentes. Agora Bolsonaro vem com conversa pedindo para o Congresso aprovar subsídio para o diesel? Isso vai sair da segurança, da saúde, da educação. Bolsonaro tem de peitar os investidores da Petrobras e olhar para o povo brasileiro. Esse aumento absurdo vai refletir nas prateleiras, a população também vai sofrer”, afirmou Dedeco, acrescentando:

“Passou de todos os limites. Bolsonaro não cumpre a promessa de acabar com o preço de paridade da Petrobras. Se Bolsonaro não tem coragem para resolver o problema, nós temos coragem para parar”.

Nesta quinta-feira (10/3), a Petrobras anunciou um mega-aumento de até R$ 0,54 no preço do litro da gasolina, que subiu 18,8%. O diesel ficará 24,9% mais caro, o que atinge em cheio os caminhoneiros. Como desde 2016 a estatal acompanha os preços do petróleo no mercado internacional, o país sentirá a disparada do petróleo provocada em meio à guerra entre Rússia e Ucrânia.

Bruno Muniz 11 mar 2022 - 12:50m

0 Comentários

Deixe uma resposta


Instituto Olavo Bilac (Grande)
Ana Laura Personalizados (Grande)
Farma Fácil (Grande)
Bahia Ferragens (Grande)
220 Cabeamentos (Grande)
ASCAP (Grande)
WG Aviamentos (Grande)
Novo Atacarejo (Grande)
Gelar Climatização (Grande)
Mandacaru Açaíteria (Grande)

Mandacaru Açaíteria (Grande)
Novo Atacarejo (Grande)
Iran Bikes (Grande)
Dr. Napoleão Bezerra (Grande)
Unicesumar EAD (Grande)
Dra. Patrícia Queiroz (Grande)
Gedália Silva (Grande)
Kits Elásticos (Grande)
RC Tecidos (Grande)
Valloriza (Grande)