Cotidiano Audiência pública discute impactos da seca no Semiárido pernambucano

Audiência pública discute impactos da seca no Semiárido pernambucano


Problemas que afetam o Semiárido pernambucano – como o agravamento da seca e da desertificação e a interrupção de políticas públicas estruturadoras – foram alvo de debate realizado pelas Comissões de Cidadania e de Agricultura, nesta segunda (6). Durante a audiência pública virtual, entidades da sociedade civil cobraram mais diálogo por parte do Poder Público, assim como a regulamentação de leis aprovadas pela Alepe.

Representando a Articulação no Semiárido Brasileiro (ASA), o biólogo Alexandre Pires lembrou que dois decretos editados em março pelo Governo Estadual declaram 109 municípios do Agreste e do Sertão em situação de emergência por conta da falta de chuvas. Ainda assim, mantêm-se inativos o Conselho de Desenvolvimento Sustentável e o Comitê Integrado de Convivência com a Estiagem. Além disso, o Poder Executivo não teria respondido aos questionamentos feitos pela entidade por meio da Lei de Acesso à Informação.

“Nós, da sociedade, ficamos sem poder participar das discussões sobre os recursos e prioridades para os municípios em situação de emergência”, lamentou Pires. “Não podemos pensar a situação climática apenas numa perspectiva emergencial. É preciso que o Comitê funcione para que, a partir de dados científicos, governo e sociedade civil possam enfrentar o processo de estiagem e adotar ações estruturantes que garantam qualidade de vida para a população do Semiárido.”

O estudioso enfatizou que, além da perda de biodiversidade, o desmatamento da Caatinga tem acelerado o processo de desertificação, reduzindo a fertilidade dos solos e a disponibilidade de água. Ele condenou a “liberação desenfreada” pela Agência Estadual de Meio Ambiente (CPRH) de empreendimentos de impacto ambiental, como produção de soja no Araripe e parques de energia eólica e solar. Da parte do Governo Federal, criticou a desconstrução da política nacional de abastecimento por meio do Programa Cisternas.

Na sequência, a presidente da Federação dos Trabalhadores Rurais, Agricultores e Agricultoras Familiares de Pernambuco (Fetape), Cícera Nunes, reagiu à retirada de verbas federais de ações de combate à pobreza e de convivência com o Semiárido. Ela ainda salientou o aumento da fome e da violência no contexto da pandemia de Covid-19.

Já Elisa Pankararu, da Articulação dos Povos e Organizações Indígenas do Nordeste, Minas Gerais e Espírito Santo (Apoinme), demandou “políticas públicas articuladas e simultâneas que dialoguem com a diversidade e a identidade das populações” da região.

Membro da Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas (Conaq), Antônio Crioulo destacou o lançamento do Sistema Integrado de Saneamento Rural (Sisar), mas manifestou preocupação com a privatização de recursos hídricos. Por sua vez, André Soares, do Movimento Sem Terra (MST-PE), relacionou a estiagem ao avanço do agronegócio sobre os biomas como Amazônia e Pantanal, de onde vem parte da chuva que chega à região.

O representante da Agência Pernambucana de Águas e Clima (Apac), Roberto Pereira, expôs as ações realizadas pela instituição para monitorar as secas no Semiárido. “A estiagem é uma situação endêmica no Sertão. É importante que as pessoas façam uma reserva de água ao longo do ano e preservem o ecossistema, para garantir a umidade e fertilidade do solo”, agregou. O secretário-executivo de Relações Institucionais da Casa Civil, José Maurício Cavalcanti, assegurou que dará o devido encaminhamento às solicitações de informação que não tiveram resposta.

O lançamento de editais do Fundo Estadual do Meio Ambiente – com recursos de R$ 4,3 milhões, para ações de reflorestamento, implantação de viveiros municipais e projetos de mulheres produtoras, coletoras e guardiãs de sementes – foi destacado na fala do representante da Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas-PE), Franklin Costa.

Presidente da Comissão de Agricultura da Alepe, o deputado Doriel Barros (PT) avaliou que o Governo pode se beneficiar do acúmulo de experiências de entidades que atuam no meio rural. “Elas podem contribuir muito para melhorar a qualidade da ação e potencializar os resultados. “É preciso o Estado ter um instrumento que articule todas as políticas para o Semiárido, de modo que elas conversem entre si e tenham o resultado esperado”, recomendou. Ele lamentou a ausência de representantes da Secretaria Estadual de Desenvolvimento Agrário no encontro.

Encaminhamentos
Titular do mandato coletivo Juntas, que preside a Comissão de Cidadania, Jô Cavalcanti (PSOL) elencou encaminhamentos a partir das sugestões feitas pelos participantes. Além da cobrança pela reativação do Comitê Integrado de Convivência com a Estiagem, defendeu a efetivação da Política Estadual de Convivência com o Semiárido e dos programas de Aquisição de Alimentos da Agricultura Familiar (Peaaf) e Pernambuco que Alimenta.

A psolista também demandou a participação de organizações sociais no Comitê Gestor do Fundo Estadual de Combate e Erradicação da Pobreza (Fecep). Jô Cavalcanti acatou, ainda, o ponto da pauta que exige do Estado o cumprimento da lei federal que determina que 30% do valor repassado pela União por meio do Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae) sejam investidos na compra direta de produtos da agricultura familiar.

Joelma Carla, que também integra o mandato das Juntas, ressaltou que o Semiárido ocupa mais de 87% do território do Estado e abrange 122 municípios, onde moram 3,7 milhões de pernambucanos, dos quais 580 mil vivem da agricultura familiar. E acentuou os relatos sobre perdas de safra e aumento no preço dos alimentos na região.

A audiência pública ainda contou com a participação do Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA), da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), da Secretaria de Educação e Esportes de Pernambuco e do Fórum de Mulheres de Pernambuco, além dos deputados João Paulo (PCdoB) e Teresa Leitão (PT).

Bruno Muniz 07 dez 2021 - 10:10m

0 Comentários

Deixe uma resposta


Novo Atacarejo (Grande)
ASCAP (Grande)
Iran Bikes (Grande)
Amanda Barros (Grande)
Oficina dos Óculos (Grande)
Farma Fácil (Grande)
Immobilis Negócios Imobiliários (Grande)
Mandacaru Açaíteria (Grande)
220 Cabeamentos (Grande)
Quero Sandálias (Grande)

Kits Elásticos (Grande)
Quero Sandálias (Grande)
WG Aviamentos (Grande)
Novo Atacarejo (Grande)
Best Net (Grande)
Lis Bambini (Grande)
Cabeça Gesso (Grande)
Unicesumar EAD (Grande)
Dr. Napoleão Bezerra (Grande)
Pernambuco Proteção Veicular (Grande)

MATÉRIA EM DESTAQUE

Mandacaru Açaiteria (Lateral)
Lis Bambini (Lateral)
JCL (Lateral)
Cabeça Gesso (Lateral)
RC Tecidos (Lateral)
Sign Digital (Lateral)
Immobilis Negócios Imobiliários (Lateral)
Agreg Comunicação (Lateral)
Moda Center (Lateral)
Pernambuco Proteção Veicular (Lateral)
Dr Napoleão Bezerra (Lateral)
Val Games (Lateral)
Arrumadinho (Lateral)
BestNet (Lateral)
Gelar Climatização (Lateral)
220 Cabeamentos (Lateral)
Sistemax (Lateral)
House Club (Lateral)
Iran Bikes (Lateral)
Farma Fácil (Lateral)
Kits Elásticos (Lateral)
Unicesumar Santa Cruz (Lateral)
Mateus Assistência (Lateral)
Quero Sandálias (Lateral)
Chiquinho Sorvetes (Lateral)
Escolinha Geração XXI (Lateral)
Oficina dos Óculos (Lateral)
Valloriza (Lateral)
WG Aviamentos (Lateral)
Amanda Barros (Lateral)
Postos Badu (Lateral)
Novo Atacarejo (Lateral)
Athom (Lateral)
ASCAP (Lateral)
Instituto Olavo Bilac (Lateral)
Dra Patrícia Queiroz (Lateral)
Ana Laura Personalizados (Lateral)
Dr. Leonardo Brito (Lateral)
Bahia Ferragens (Lateral)
Aplicativo