Saúde No Brasil, aumenta número de relatos de pessoas que ‘furaram a fila’ da vacinação contra covid-19

No Brasil, aumenta número de relatos de pessoas que ‘furaram a fila’ da vacinação contra covid-19


Após a aprovação da Anvisa e o início da vacinação contra covid-19 no Brasil, surgiu na internet uma série de denúncias sobre pessoas que não estão integradas nos grupos prioritários e tomaram o imunizante indevidamente. Entre os que, praticamente, furaram a fila, estão prefeitos, secretários, um diretor administrativo e até um fotografo.

A onda de casos de vacinações indevidas começou após a imunização da secretária de saúde e do fotografo oficial da prefeitura de Jupi viralizar. Ambos não fazem parte de nenhum grupo prioritário. O Ministério Público está investigando o caso.

Os vídeos viralizaram na internet e causaram revolta – Foto: Reprodução

Em Itabi/SE, o prefeito Júnior de Amynthas (DEM), de 46 anos, também tomou a vacina contra a covid-19. O político não faz parte de nenhum grupo prioritário. O pequeno município sergipano só recebeu 31 doses, que imunizará apenas 15 pessoas com duas dose.

Nas redes sociais, Amynthas disse que tomou a vacina pois queria ser exemplo e “incentivar a população para que tomasse a vacina”. O prefeito ressaltou que municípios têm autonomia para adequar a vacinação à realidade local.

Segundo o prefeito, sua imunização visa incentivar a população a receber o imunizante – Foto: Reprodução/Internet

O Ministério Público da Bahia (MP-BA) informou que vai apurar o caso de um vídeo publicado no perfil da prefeitura de Candiba mostrando a vacinação do prefeito. Reginaldo Martins Prazo tem 60 anos e também não faz parte dos grupos prioritários.

Após a publicação, o político foi alvo de críticas nas redes sociais. Em nota o MP disse que “tomará as medidas cabíveis para apuração do mesmo, que, a princípio, pode se configurar como crime de prevaricação e ato de improbidade administrativa”.

A vacinação antecipada do prefeito será apurada pelo Ministério Público – Foto: Reprodução/Instagram

O diretor administrativo do hospital municipal de Castanhal, município do Pará, Laureno Lemos, foi demitido após receber a vacina indevidamente. O caso foi exposto e denunciado nas redes sociais.

Para a prefeitura da cidade, a atitude do servidor foi totalmente contrária às determinações da administração municipal, já que ele não se enquadra no grupo prioritário. O município informou que estará atenta para que casos semelhantes não se repitam.

Laureno foi demitido após a vacinação – Foto: Reprodução/Internet

Em São José do Egito, sertão de Pernambuco, o secretário municipal de saúde, Paulo Jucá, que não faz parte do grupo de risco, também foi vacinado. Segundo a prefeitura da cidade, a ocasião visou estimular a população a se vacinar.

Secretário de Saúde tomando a primeira dose da vacina – Foto: Reprodução/Internet

Suposto favorecimento suspende a vacinação em Manaus

A capital do Amazonas, Manaus, um dos locais mais castigados pelos efeitos da pandemia, suspendeu a vacinação contra o coronavírus após indícios de irregularidades na distribuição do imunizante. O Ministério Público apura se pessoas fora do grupo do risco estariam recebendo a dose do imunizante.

O órgão recebeu denúncias de que empresários e familiares furaram a fila. A Prefeitura de Manaus, no entanto, informou que não existem irregularidades e que as aplicações estão ocorrendo de acordo com a norma federal de escalonamento dos grupos.

Marcelo Melo Ramos 21 jan 2021 - 17:17m

0 Comentários

Deixe uma resposta


Clim Center (Grande)
Richard Martyns (Lateral)
Studio93 (Grande)
Império dos Camarões (Grande)
Cetias (Grande)
JCL (Grande)
Bezerra Poços (Grande)
Farma Fácil (Grande)
RC Tecidos (Grande)
Novo Atacarejo (Grande)

Jasfac (Grande)
Best Net
Santa Cruz Cap (Grande)
Simone Joias (Grande)
Vitta (Grande)
Dr. Leonardo Brito
Lis Bambini
Studio93 (Grande)
JCL (Grande)
Design Riscos (Grande)