Rômulo Renan - Economia Preços mais Altos

Preços mais Altos


O aumento de preço é perceptível por todos, pois atinge bens comuns que todos consomem.

Essa pressão pode-se dá por diversos fatores: a paralização de diversos setores econômicos, devido a pandemia; o auxilio emergencial, que injetou bilhões em classes mais baixas e que tendem a um consumo de imediato; por fim, o dólar, que aumentou em torno de 35% este ano, sendo o Real a moeda que mais desvalorizou frente ao dólar no mundo.

A moeda norte americana deve ser o maior fator que gerou o aumento de preços. Isso se dar principalmente por duas formas: diretamente afetando as importações, já que produtos comprado de fora do país ficaram mais caro; e, indiretamente, afetando as exportações, com o que era produzido para o mercado interno sendo exportado e vendido mais caro no mercado interno acompanhando preço de exportação.

Os índices que medem a inflação parecem não medir a real situação. Como são temporal, são mensurados por uma gama de produtos e em várias regiões e podem vir a refletir a realidade com certo atraso. O valor de 2,47% para o ano de 2020, segundo ultimas projeções, parece está aquém da percepção popular. Em vários setores da economia, nota-se variações acima disso, gerando certa desconfiança da realidade desses índices.

A inflação é sempre ruim. Por isso, existe diversos mecanismos de controle com metas e monitoração constate. Quem tem um pouco mais de maturidade lembra-se da época de alta no Brasil. Quando persistente, gera imprevisibilidade, baixo investimento de longo prazo e, com o tempo, vai causando a obsolescência de toda a economia.

Se vai continuar aumentando os preços? Acho pouco provável, mas, com o dólar persistindo nesse patamar, a maioria dos produtos que sofre sua influencia permanecerá com preços mais altos que antes da pandemia.

Mecanismos para o governo controlar existe, porém pode ser muito dispendioso através de politica cambial, já que o ministro da economia afirmou que é “melhor se acostumar” com o valor do dólar. Também dado ao grave problema fiscal que se vinvencia, bem provável já no inicio do ano de 2021 começar a vim aumentos na taxa de juros através de uma politica monetária.

Jefferson Felipe 04 nov 2020 - 16:20m

0 Comentários

Deixe uma resposta


Instituto Olavo Bilac (Grande)
Immobilis Negócios Imobiliários
JCL (Grande)
Bezerra Poços (Grande)
Cetias (Grande)
Farma Fácil (Grande)
Império dos Camarões (Grande)
Clim Center (Grande)
RC Tecidos (Grande)

Dr. Leonardo Brito
Jasfac (Grande)
JCL (Grande)
Instituto Olavo Bilac (Grande)
Cabeça Gesso (Grande)
Polo da Moda Campina (Grande)
Best Net
Vitta (Grande)
Design Riscos (Grande)
Lis Bambini

VÍDEO EM DESTAQUE

Escolinha Geração XXI (Lateral)
Polo da Moda de Campina Grande (Lateral)
RC Tecidos (Lateral)
Unicesumar Santa Cruz (Lateral)
Lis Bambini (Lateral)
HB Joias e Relógios (Lateral)
JCL (Lateral)
Império dos Camarões
Real Tags e Etiquetas (Lateral)
Clim Center (Lateral)
Academia Saúde e Forma (Lateral)
Val Games (Lateral)
Tintas Quimilson (Lateral)
Immobilis (Lateral)
Simone Joias (Lateral)
Alan Vidros (Lateral)
BestNet (Lateral)
Dr. Leonardo Brito (Lateral)
Design Riscos (Lateral)
House Club (Lateral)
Instituto Olavo Bilac (Lateral)
Moda Center (Lateral)
VRC College (Lateral)
Sign Digital (Lateral)
Autoescola Nossa Senhora das Graças (Lateral)
Clínica Vitta (Lateral)
Aplicativo