Economia Em pleno 2020, Brasil precisa mesmo de notas de R$ 200 em circulação?

Em pleno 2020, Brasil precisa mesmo de notas de R$ 200 em circulação?


Anúncio surpresa do BC traz incertezas sobre a real necessidade de mais notas circulando, em meio a baixa inflação e acelerado processo de digitalização.

O inesperado anúncio do Banco Central nesta quarta-feira, 29, sobre a criação da nota de R$ 200 levantou dúvidas sobre a real necessidade de o país ter um valor tão alto em uma só nota em pleno 2020.

O BC argumenta que a única razão para a decisão é porque a pandemia impulsionou uma demanda maior por papel-moeda no Brasil. Isso aconteceu, segundo a autarquia, por conta de maiores saques para a formação de reservas e o pagamento em espécie aos beneficiários do auxílio emergencial de R$ 600. 

A crise fez o valor em circulação, ou seja, notas emitidas e nas mãos da população, disparar. Hoje, o montante é de R$ 342 bilhões, bem acima da média histórica de menos de R$ 300 bilhões, como mostra o gráfico a seguir.

Esse comportamento, tecnicamente chamado de entesouramento, acendeu um sinal de alerta na autoridade monetária, que viu o risco de faltar dinheiro em circulação. A nota de valor mais alto, nesse caso, vai permitir que as pessoas saquem valores maiores com a emissão de menos papel.

Na avaliação de economistas ouvidos, essa demanda vai seguir em alta nesse momento de incerteza causado pela pandemia, mas isso pode mudar se o BC conseguir implementar a sua ampla agenda de digitalização financeira, que deve começar a se transformar em outubro com a chegada do sistema de pagamentos instantâneos (PIX).

“Parece contra intuitivo emitir mais notas no momento em que o digital está cada vez mais popular, mas não podemos deixar de lado que ainda há um percentual grande de brasileiros que não têm acesso, nem costume, nem educação financeira para tal”, diz Fernanda Consorte, economista-chefe do Banco Ourinvest.

Segundo informações do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, até o final do ano passado, o Brasil tinha uma média de 45 milhões de pessoas desbancarizadas, ou seja, brasileiros que não movimentam a conta bancária há mais de seis meses ou que optaram por não ter conta em banco.

Além disso, no ano passado, o país tinha cerca de 70 milhões de pessoas, o que corresponde a 33% da população, utilizando aplicativos de celular para realizar serviços bancários, segundo dados da Pesquisa de Tecnologia Bancária 2019 da Federação Brasileira de Bancos.

Para Leonardo Hojaij, diretor-chefe do banco europeu Andbank no Brasil, a lógica faz sentido, mas a alta demanda por mais dinheiro físico na pandemia se concentra principalmente na população de rendas mais baixas, que foi a que mais recebeu o auxílio emergencial.

“Nesse caso, a necessidade vai ser por notas de valores menores”, diz. 

Assim como o BC, ambos afastam a inflação como um dos motivos para a emissão de notas de R$ 200. Hoje, a previsão do mercado financeiro para o IPCA (o índice oficial de preços) de 2020 está em 1,72%, bem abaixo da meta de 4% projetada no início do no. Ao longo das últimas duas décadas, contudo, o país passou por momentos de inflação alta o que reduziu o poder de compra da população.

Segundo uma análise feita pelo IPEADATA, em julho de 1994, no lançamento do Plano Real, R$ 17,20 reais eram suficientes para comprar o mesmo que a nota de R$ 100 compra atualmente.

“A desvalorização do real nos últimos anos é fato, mas o único motivo que se tem para emitir cédulas mais altas é quando você tem inflação. E como isso não está acontecendo, imprimir notas mais altas não deveria ser prioridade agora”.

Impacto para o combate à corrupção

A emissão de cédulas de maior valor pode até atender a demanda da população por meio circulante, mas impacta negativamente o combate à corrupção. Notas de maior valor geram um volume menor de dinheiro em espécie, facilitando a ocultação de recursos e, consequentemente, seu rastreamento.

Esse cenário foi decisivo para que no início do ano passado, o Banco Central Europeu interrompesse toda a produção de notas de 500 euros. Isso porque, ao longo dos anos, os 500 euros haviam se tornado populares demais no financiamento e facilitação do narcotráfico, do contrabando de seres humanos e do terrorismo.

Uma análise de 2010 da Agência de Crimes Graves e Organizados do Reino Unido estimou que naquele ano “90% dos [500 euros] vendidos no Reino Unido estavam nas mãos do crime. Já um levantamento do banco central da Alemanha descobriu que, de 2002 a 2009, mais de 70% das notas de 500 euros emitidas na Alemanha foram para o exterior, com metade desse percentual desembarcando especificamente na Rússia.

Uma alternativa para o Brasil seria fazer um teste de circulação das notas de R$ 200 para avaliar a demanda e a popularidade que elas podem ter (quem nunca tentou trocar uma cédula de alto valor na padaria e recebeu um olhar de reprovação?)

É necessário também aprimorar os mecanismos de identificação de lavagem de dinheiro, inibindo assim o uso dessas cédulas em esquemas de corrupção.

Jefferson Felipe 30 jul 2020 - 10:20m

0 Comentários

Deixe uma resposta


Dra. Palloma Santana (Grande)
Altas Horas Outlet (Grande)
Sollaris Energy (Grande)
Máscara Cristal (Grande)
Império dos Camarões (Grande)
Immobilis Negócios Imobiliários
RC Tecidos (Grande)
Clim Center (Grande)
Cetias (Grande)

Lis Bambini
Larissa Marques (Tô na Fono)
Best Net
Altas Horas Outlet (Grande)
New Corte
Arrumadinho (Grande)
Cabeça Gesso (Grande)
Dr. Leonardo Brito
Unicesumar EAD
Vitta (Grande)

VÍDEO EM DESTAQUE

RC Tecidos (Lateral)
Escolinha Geração XXI (Lateral)
Império dos Camarões
Academia Republic (Lateral)
Autoescola Nossa Senhora das Graças (Lateral)
Val Games (Lateral)
New Corte Tecidos (Lateral)
Dra Palloma Santana (Lateral)
Localiza Moda (Lateral)
Instituto Olavo Bilac (Lateral)
Real Tags e Etiquetas (Lateral)
Larissa Marques (Lateral)
HB Joias e Relógios (Lateral)
Sign Digital (Lateral)
Clínica Vitta (Lateral)
Sollaris Energy (Lateral)
Mais Sorriso (Lateral)
Altas Horas Outlet (Lateral)
VRC College (Lateral)
Brisanet (Lateral)
Mega Gás (Lateral)
Academia Saúde e Forma (Lateral)
Clim Center (Lateral)
Dr. Leonardo Brito (Lateral)
Tintas Quimilson (Lateral)
Immobilis (Lateral)
Cabeça Gesso (Lateral)
Alan Vidros (Lateral)
Lis Bambini (Lateral)
Moda Center (Lateral)
Unicesumar Santa Cruz (Lateral)
iStore (Lateral)
BestNet (Lateral)
Aplicativo