Destaques Em meio à pandemia, deputados pernambucanos Tony Gel e Clarissa Tércio debatem porte de arma de fogo

Em meio à pandemia, deputados pernambucanos Tony Gel e Clarissa Tércio debatem porte de arma de fogo


“Jesus não ensinou ninguém a se armar”, disparou Tony; “Na hora do assalto, ninguém é tão ridículo a ponto de usar a Bíblia pra se defender”, disse Clarissa.

A defesa de que a população se arme, feita pelo presidente Jair Bolsonaro na reunião ministerial de 22 de abril, gerou discussão nesta quinta (28), durante a Reunião Plenária da Alepe. O debate, suscitado pelo deputado Tony Gel (MDB), girou em torno do apoio de segmentos religiosos cristãos à medida. Após o questionamento, a deputada Clarissa Tércio (PSC) manifestou-se favoravelmente à pauta, em pronunciamento no Grande Expediente.

Na reunião ministerial, cuja gravação em vídeo se tornou pública por ordem do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Celso de Mello, Bolsonaro diz: “Eu quero que o povo se arme, que é a garantia de que não vai ter um filho da… para impor uma ditadura aqui. É facílimo impor uma ditadura aqui. Um b… dum (sic) prefeito faz uma b… dum (sic) decreto, algema e deixa todo mundo dentro de casa. Se tivesse armado, ia pra rua”. E, depois, complementa: “É escancarada a questão do armamento aqui. Eu quero todo mundo armado”.

A declaração foi feita pelo presidente ao pedir a assinatura da portaria interministerial que seria publicada no Diário Oficial da União no dia seguinte. A medida aumenta o limite de compra de munição por civis que têm direito ao porte e à posse de arma, de 200 unidades por ano para 550 por mês.

Na Reunião Plenária desta quinta, Tony Gel indagou se a comunidade evangélica e outras denominações religiosas apoiam a fala de Bolsonaro.

“Como um presidente recomenda que o povo se arme? Será que vamos voltar ao ano de 1119, quando foram criados os templários [força militar subordinada à Igreja Católica]? Vamos nos armar contra nossos próprios irmãos brasileiros? Tem necessidade disso? Jesus mandou o povo se armar ou se amar?”, questionou, em aparte ao pronunciamento do deputado Antonio Fernando (PSC).

Ao comentar a fala do emedebista, o deputado Pastor Cleiton Collins (PP) afirmou que “Jesus é paz”. “A Bíblia fala em convergência, em unidade para ajudar. Jesus ensina que se o pior inimigo tiver fome, a arma a ser usada é abençoar a vida dele”, expressou. Ele considerou que “o expediente é muito perigoso” e pode ter sido trazido pelo presidente “num momento inoportuno”. “Esse é o momento para a gente discutir a cura [da Covid-19], o remédio que pode ajudar a população. Esse é o debate que deve ser feito”, ponderou.

Clarissa Tércio, por sua vez, citou critérios que restringem a posse (permissão para adquirir) de armas e o porte (autorização para andar ou utilizar o armamento), ao se posicionar a favor da medida apresentada pelo presidente.

“Digo aos que defendem o desarmamento que abram mão dos seguranças e passeiem em lugares cheios de bandidos armados”, afirmou. “Quando o crente fala que a arma é a Bíblia, está tratando do mundo espiritual. Na hora do assalto, ninguém é tão ridículo a ponto de usar a Bíblia pra se defender.”

A parlamentar citou passagens do Velho e do Novo Testamentos que abordam a questão.

“Jesus, quando os comerciantes estavam no templo, chegou invocado, e não chegou nem com uma Bíblia nem com uma pombinha. Chegou com um azarrague, um chicote, que era como se fosse uma pistola, uma arma da época. E saiu expulsando os comerciantes. Os pacificadores estão dispostos a ir à guerra pela paz”, argumentou. “A Bíblia me dá todo embasamento para que eu possa me defender”, afirmou Tércio.

Na réplica, Tony Gel considerou “equivocada” a fala da colega. Ele citou que, no momento de sua prisão, Jesus Cristo reconstituiu a orelha de um soldado romano, que havia sido cortada pelo apóstolo Pedro. E, na cruz, pediu o perdão de seus algozes.

“Jesus não ensinou ninguém a se armar. Ele disse ‘amai-vos uns aos outros como eu vos amei’ e ‘bem-aventurados os mansos, porque herdarão a terra’.”

O parlamentar do MDB defendeu que apenas as forças militares e de segurança possam ter porte: “A arma do povo é o saber, a educação. É conhecer e interpretar bem as coisas”, concluiu.

Durante a discussão, o deputado Alberto Feitosa (PSC) disse que o vídeo da reunião ministerial mostrou “um presidente comprometido com a população” e frustrou os que esperavam algo que o incriminasse. Já Ducicleide Amorim (PT) advertiu:

“Temos que ter cuidado, como líderes religiosos, ao pregar a agressividade. Jesus nos ensina a ser apaziguadores e a oferecer a outra face. Misturar religião com política é perigoso”.

Por fim, João Paulo (PCdoB) sugeriu que Clarissa Tércio analise os fatores que levam à marginalização e ao crime, citando o acúmulo da riqueza e a negação de uma vida decente. Também indicou a leitura do livro Como as democracias morrem, de Steven Levitsky e Daniel Ziblatt.

Bruno Muniz 29 Maio 2020 - 11:41m

0 Comentários

Deixe uma resposta


Clim Center (Grande)
Sollaris Energy (Grande)
RC Tecidos (Grande)
Unicesumar EAD
Immobilis Negócios Imobiliários
Dra. Palloma Santana
Império dos Camarões (Grande)

New Corte
Lis Bambini
Brisanet (Grande)
Unicesumar EAD
Vitta (Grande)
Dr. Leonardo Brito
Best Net
Larissa Marques (Tô na Fono)
Real Tags e Etiquetas (Grande)
Jasfac (Grande)

VÍDEO EM DESTAQUE

Império dos Camarões
Agreg Comunicação
Real Tags e Etiquetas
Republic
Auto Escola
Moda Center Santa Cruz
Brisanet
iStore Oficial
Clim Center
Dr Leonardo Brito
Unicesumar
Immobilis
Cold Car
House Club
Jasfac
Zero Oito Um
Valloriza
Palloma Santana
Copiart
Mais Sorriso
Escola Dinâmica
Mega Gás
RC Tecidos
Larissa Marques
Helder Viegas
Léo Siqueira Imóveis
Gráfica Climerio
New Corte
Val Games
Escolinha Geração
HB Joias e Relógios
Quimilson
Academia Saúde e Forma
Aplicativo
error: Content is protected !!