Destaques Na China, epicentro do Coronavírus, santa-cruzense fala sobre rotina e tranquiliza brasileiros

Na China, epicentro do Coronavírus, santa-cruzense fala sobre rotina e tranquiliza brasileiros


Atleta reconhece expansão do vírus, mas nega clima de pânico no país e afirma que mídia brasileira alarma o caso.

Foto: Divulgação

Atualmente morando em Guangzhou, na China, onde também trabalha com o esporte, a judoca Osinha Albuquerque, de Santa Cruz do Capibaribe, publicou em suas redes sociais um vídeo onde detalha como tem sido a sua rotina no país após o registro de mortes pelo Coronavírus.

Osinha reside em uma localidade que fica há quase mil quilômetros de distância de Wuhan, epicentro do vírus e onde foram registradas mais mortes. De carro, a distância de uma cidade a outra é equivalente a cerca de 10 horas de viagem.

“Senti a necessidade de fazer isso porque as pessoas estão me mandando muitas mensagens me perguntando como está a situação aqui na China”, iniciou a atleta.

Osinha reconhece que em muitas cidades da China existem infectados e que isso deixou o país em estado de alerta. A mesma ainda detalha que a chegada do Ano Novo Chinês, momento de comemorações em todo o país, contribuiu para a disseminação do Coronavírus.

“Todas as cidades da China tem pessoas infectadas porque a população é muito grande, muito aglomerada. Teve feriado agora recentemente do ano novo chinês e o pessoal viajou muito, isso fez com que aumentasse muito a questão do contágio”, explicou.

Apesar das preocupações que envolvem o vírus e a sua forma de contágio, a atleta de judô sustenta que muito do que sendo compartilhado nas redes sociais não corresponde a atual realidade do país e de seus habitantes.

“Esses vídeos que o pessoal está mandando aí nos WhatsApps, pessoas desmaiando, etc. Realmente, as pessoas desmaiaram por conta que estão sem oxigênio para respirar, mas esses vídeos foram gravados desde a outra semana. Aí o pessoal fica pensando que esses vídeos são de agora e que nós aqui não estamos conseguindo ver, ter acesso. As pessoas que morreram foram pessoas mais idosas, que estavam com a saúde mais debilitada, uma imunidade não mais tão boa como antes”, informou Osinha.

Ainda sobre o que circula na internet, Osinha afirma que acredita estar a mídia brasileira supervalorizando a expensão o caso, ou em suas palavras “com alarmismo”. Para a atleta de Santa Cruz do Capibaribe, o momento é sim de cautela, mas que a realidade em si é bem mais sóbria do que tem sido compartilhado nos últimos dias. Osinha também detalha que estilo de vida saudável também contribui para prevenção ao vírus e a outras infecções.

“Todo mundo está com medo de pegar o vírus, tá. Todo mundo está saindo com máscaras, evitando aglomerações de pessoas, se cuidando, se alimentando melhor. Mas principalmente a mídia está fazendo um alarde no Brasil, pelo que eu estou vendo pelas mensagens que estão me mandando, algumas pessoas aí estão com mais medo de pegar o vírus do que eu que estou aqui”, pontuou.

Bruno Muniz 30 jan 2020 - 19:02m

0 Comentários

Deixe uma resposta


JCL (Grande)
Immobilis Negócios Imobiliários
Cuscuz da Moda (Grande)
Instituto Olavo Bilac (Grande)
Acqua Pet Capibaribe (Grande)
More Love (Grande)
RC Tecidos (Grande)
Cetias (Grande)
Farma Fácil (Grande)
Clim Center (Grande)

Best Net
Dr. Leonardo Brito
Design Riscos (Grande)
JCL (Grande)
Simone Joias (Grande)
Localiza Moda (Grande)
Real Tags e Etiquetas (Grande)
Lis Bambini
Unicesumar EAD (Grande)
Polo da Moda Campina (Grande)