Destaques MPPE e rede de proteção se unem em prol da prevenção e enfrentamento aos crimes contra dignidade sexual de crianças e adolescentes

MPPE e rede de proteção se unem em prol da prevenção e enfrentamento aos crimes contra dignidade sexual de crianças e adolescentes


Do total de 2.804 inquéritos policiais que tramitam na Delegacia Especializada de Crimes contra Criança e Adolescente do Recife (DECCA), cerca de 90% investigam a prática de crimes contra a dignidade sexual contra crianças e adolescentes. Nessa estatística estão incluídos estupros de vulnerável, divulgação de cenas de sexo ou pornografia infantil e demais atos cometidos, na sua maioria, por familiares ou pessoas fazem parte do convívio íntimo de crianças e adolescentes, o que dificulta ainda mais que os casos sejam denunciados.

Para buscar uma melhor articulação dos órgãos que compõem a rede de proteção, o Ministério Público de Pernambuco (MPPE) promoveu, na manhã de sexta-feira (13), uma audiência pública que contou com a participação de representantes da Secretaria de Defesa Social, profissionais da saúde, assistentes sociais, conselheiros tutelares, professores e integrantes do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (Comdica). O evento foi realizado no âmbito de um procedimento conjunto instaurado pelos promotores de Justiça Criminais que atuam perante as 1ª e 2ª Varas de Crimes contra Crianças e Adolescentes da Capital, Giani Maria dos Santos e Salomão Ismail Filho.

“Esses crimes acontecem de forma silenciosa, dentro do lar, e o abusador muitas vezes se vale da inexperiência da vítima. Estamos nos reunindo com o poder público a fim de pautar a prioridade desse assunto nas políticas públicas, além de ouvir as críticas e sugestões do público”, argumentou Salomão Ismail Filho.

Como resultado da audiência, o MPPE e os demais participantes da audiência definiram uma série de recomendações. Ao Estado de Pernambuco, as ações incluem estudar a criação de uma Delegacia Especializada no Recife para atender apenas os crimes contra a dignidade sexual de crianças e adolescentes; estudar a criação de mais delegacias especializadas em todo o Estado, tendo em vista que hoje só existem unidades da DECCA no Recife, Jaboatão dos Guararapes e Paulista; retomar o funcionamento do plantão 24 horas da DECCA, que foi extinto e hoje funciona integrado ao plantão da Delegacia da Mulher do Recife; e atualizar o Plano Estadual de Enfrentamento à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes incluindo uma estratégia de prevenção baseada em uma abordagem de saúde pública para o problema.

Já em relação à Secretaria de Defesa Social, as recomendações incluem criar equipes qualificadas para realizar a escuta de crianças e adolescentes quando estas forem recebidas em delegacias não especializadas; reforçar o treinamento dos agentes de Polícia que já foram capacitados para realizar esse tipo de escuta; e evitar que crianças ou adolescentes sejam ouvidos como testemunhas “comuns”, assegurando que seja dado o atendimento especializado preconizado pela legislação.

Ao Conselho Tutelar o MPPE recomendou que melhore o retorno às comunicações da Polícia e do Ministério Público. Já em relação ao Tribunal de Justiça, o MPPE vai pleitear que as Varas Criminais de Crimes contra Crianças e Adolescentes da Capital reduzam o tempo do fluxo de autorização das ouvidas antecipadas, a fim de agilizar os trâmites processuais; e que o Tribunal troque o local da carceragem do Centro Integrado de Defesa da Criança e do Adolescente, a fim de evitar que os agressores detidos tenham contato com vítimas e testemunhas durante os atos processuais.

Por fim, os promotores de Justiça vão estimular o MPPE a criar um Núcleo de Enfrentamento à Violência Sexual e propor melhores especificações nas requisições remetidas ao Conselho Tutelar. Os promotores também vão avaliar a produção e veiculação de uma campanha educativa para esclarecer a sociedade sobre os crimes contra a dignidade sexual de crianças e adolescentes.

Em relação às denúncias dos crimes, a ouvidora-geral do MPPE, promotora de Justiça Selma Barreto, ressaltou que em muitos casos a população tem conhecimento dos fatos mas não procura as autoridades por medo de denunciar os infratores.

“Nesses casos, é importante saber que é possível, por exemplo, entrar em contato com a Ouvidoria, que é uma porta de acesso ao MPPE. O cidadão hoje pode fazer isso pela internet, por WhatsApp, com garantia do anonimato”, salientou.

Atuação em rede — a promotora de Justiça Giani Maria dos Santos destacou a importância da atuação atuação intersetorial quando no combate aos crimes contra a dignidade sexual. “Da nossa parte, estamos prestando contas da atuação que vem sendo desenvolvida, desde 2017, pelas Promotorias de Justiça Criminais que atuam perante as 1ª e 2ª Varas de Crimes contra Crianças e Adolescentes da Capital. Nesse período, tivemos reuniões com os órgãos parceiros e fizemos visitas às escolas para alertar os estudantes sobre essa prática e como eles podem se proteger”, ressaltou a promotora de Justiça Giani Maria Santos.

Para a delegada Maria Eduarda Pessoa, da DECCA, o ponto de maior dificuldade do poder público em combater os crimes contra a dignidade sexual contra crianças e adolescentes reside em romper a barreira de silêncio e conseguir que a vítima denuncie o praticante do crime, que muitas vezes é um parente próximo. Por isso, a Polícia Civil vem buscando mais diálogo com as demais instituições da rede de proteção.

“Além das parcerias com as escolas e o Conselho Tutelar, estamos buscando proporcionar um atendimento especializado para essas crianças e adolescentes, a fim de prestar o serviço da forma mais adequada para elas e suas famílias”, afirmou.

Já a coordenadora escolar Ana Rita Aguiar elogiou o debate e comentou sobre o papel dos profissionais da educação na identificação de casos de violência sexual contra crianças e adolescentes.

“Esse assunto precisa ser debatido com os alunos, porque isso dá a oportunidade de uma criança que é vítima poder falar sobre algo que está acontecendo com ela. Nós já começamos a notar resultados nesse aspecto, os alunos demonstram confiança no ambiente escolar e reconhecem que, se precisarem falar, serão acolhidos”, disse.

Dados sobre os crimes — a pesquisadora Débora Aranha apresentou os resultados da pesquisa Violência sexual contra crianças e adolescentes no Recife. De acordo com ela, existe um perfil definido das vítimas: 80% são meninas; a grande maioria delas são negras; os abusos ocorrem dentro do ambiente doméstico em 73% dos casos.

A pesquisadora também apontou que a subnotificação é um problema crônico, já que a média de denúncia à Polícia no Brasil gira em torno de 10% dos casos de estupros de vulneráveis.

“Algumas medidas que podem ser adotadas no campo da prevenção incluem trabalhar a autoproteção das crianças; debater novos modelos de masculinidade com os meninos; e envolver escola e família na identificação e encaminhamento dos casos. Além disso, estamos sentindo que a dificuldade em discutir a educação sexual nas escolas atrapalha o combate à violência sexual”, destacou.

Bruno Muniz 15 dez 2019 - 15:03m

0 Comentários

Deixe uma resposta


Dra. Palloma Santana
Sollaris Energy (Grande)
RC Tecidos (Grande)
Brisanet (GIF)
Cetias (Grande)
Immobilis Negócios Imobiliários
Império dos Camarões (Grande)
Clim Center (Grande)

Jasfac (Grande)
New Corte
Real Tags e Etiquetas (Grande)
Cabeça Gesso (Grande)
Brisanet (GIF)
Best Net
Vitta (Grande)
Lis Bambini
Marjo Sports (Grande)
Unicesumar EAD
error: Content is protected !!