Destaques Cresce o número de empresas que empregam reeducandos; economia chega a quase R$ 10 milhões

Cresce o número de empresas que empregam reeducandos; economia chega a quase R$ 10 milhões


Em Pernambuco, o número de empresas que empregam ex-detentos aumentou de 23 para 35, acréscimo de 52% em 2019. 

Foto: Divulgação

As organizações, entre públicas e privadas, são parceiras da Secretaria de Justiça e Direitos Humanos (SJDH). Juntas, dão oportunidade de recomeço para 1.107 apenados que cumprem pena no regime aberto. Além da responsabilidade social, a iniciativa pode ser um bom negócio. Em média, as empresas privadas e os órgãos governamentais conveniados pouparam quase R$ 10 milhões. Economia gerada porque os contratos são regidos pela Lei de Execuções Penais, desobrigando os empregadores de encargos trabalhistas como 13° salário, férias e Fgts.

Foto: Divulgação

Os novos convênios trazem empresas dos mais variados segmentos: corte e costura, logística, alimentos e órgãos estaduais e municipais. Quanto à economia, os dados foram extraídos com base na remuneração de um salário mínimo (R$ 998) e no número de egressos trabalhando, 1.107. Considerando os 12 meses do ano, a poupança foi de exatamente R$ 9.998.999. O Patronato Penitenciário, órgão da SJDH, companha os apenados oferecendo assistência psicossocial e jurídica, além de prospectar novos empregadores.

Foto: Divulgação

“Nosso principal objetivo é garantir que os reeducandos consigam mudar de vida. Quanto mais instituições sensíveis, teremos mais postos de trabalho e consequentemente, menos violência. Dificilmente essas pessoas irão voltar para o crime”, explica o secretário de Justiça e Direitos Humanos, Pedro Eurico.

Seis meses depois de ter deixado a prisão, José Fábio, 48 anos, que cumpre pena no regime aberto, finalmente conseguiu voltar ao mercado de trabalho. O reeducando integra a equipe de logística do Conorte (concessionária do Grande Recife Consórcio de Transporte).

Foto: Divulgação

“A essa altura da minha vida, é difícil conseguir trabalho, ainda mais por ser reeducando. Essa nova chance representa minha reconstrução pessoal e familiar”, conta José.

Foto: Divulgação

Diretor administrativo da Carapitanga, produtora de camarão, Gustavo do Vale fala das expectativas com o convênio. “Estamos em um momento de expansão da nossa empresa e com isso, contratamos 15 reeducandas. Muitas dessas mulheres não são criminosas, cometeram delitos por influência de seus companheiros. O trabalho já tem dado tão certo que estamos com planos de aumentar as contratações em 2020”, ressalta o gestor. 

Jefferson Felipe 19 dez 2019 - 13:37m

0 Comentários

Deixe uma resposta


JCL (Grande)
RC Tecidos (Grande)
Immobilis Negócios Imobiliários
Clécia Lima (Grande)
Império dos Camarões (Grande)
Altas Horas Outlet (Grande)
Cetias (Grande)
Bezerra Poços (Grande)
Farma Fácil (Grande)
Clim Center (Grande)

Simone Joias (Grande)
Polo da Moda Campina (Grande)
Altas Horas Outlet (Grande)
Lis Bambini
Real Tags e Etiquetas (Grande)
Vitta (Grande)
JCL (Grande)
Cabeça Gesso (Grande)
Best Net
Design Riscos (Grande)