Destaques Famílias de conselheiros mortos em Poção temem que acusados de chacina não enfrentem o Júri Popular

Famílias de conselheiros mortos em Poção temem que acusados de chacina não enfrentem o Júri Popular


Foto: Arquivo

Quatro anos após a morte dos conselheiros tutelares Carmem Lúcia da Silva, de 38 anos, José Daniel Farias Monteiro, de 31, e Lindenberg Nóbrega de Vasconcelos, de 54, as famílias das vítimas vivem agora um novo dilema. A espera pelo julgamento dos acusados não apenas gera o sentimento de impunidade, mas também medo já que os parentes dos mortos na chacina sentem-se desprotegidos.

Na próxima quinta-feira (26), será levado para a I Câmara Regional de Caruaru, no Agreste, um pedido da defesa dos acusados que solicita que os mesmos não enfrentem o Júri Popular, hoje a maior esperança de justiça para com o caso por parte da família dos mortos.

“Pedimos justiça. Clamamos por ajuda! Mobilização popular, de todos aqueles que defendem os direitos humanos! Juntos com os familiares, o Conselho Tutelar de Poção, e organizações da sociedade civil, estamos mobilizando um número maior de conselheiros tutelares, familiares e sociedade civil em geral para se fazer presente em Caruaru, reafirmando o nosso pedido: Queremos que os executores e seus mandantes sigam logo para Júri Popular, urgente”, escreveu uma familiar de um dos conselheiros mortos, que por motivos de segurança não será identificada.

Júri Popular

No Brasil, júri é o tribunal em que cidadãos, previamente alistados, decidem sobre a culpabilidade ou não dos acusados (réus), acerca de crimes dolosos contra a vida.

Bruno Muniz 25 set 2019 - 21:50m

0 Comentários

Deixe uma resposta


RC Tecidos (Grande)
Unicesumar EAD
Clim Center (Grande)
Império dos Camarões (Grande)
Immobilis Negócios Imobiliários
Sollaris Energy (Grande)
Dra. Palloma Santana

New Corte
Unicesumar EAD
Dr. Leonardo Brito
Brisanet (Grande)
Vivo Santa Cruz
Jasfac (Grande)
Larissa Marques (Tô na Fono)
Cold Car
Real Tags e Etiquetas (Grande)