Destaques Visão Econômica: Aprovação do texto principal da Reforma da Previdência — Por Rômulo Renan

Visão Econômica: Aprovação do texto principal da Reforma da Previdência — Por Rômulo Renan


O governo mostra força e aprova o texto principal da Reforma da Previdência, mesmo faltando muitos passos ainda, o principal foi dado. A notícia foi bem recebida pela maioria sinalizando bem o mercado, dólar, Bolsa e a população. O que se quer atingir primordialmente é a mudança das expectativas, que o empresariado e investidores comecem a investir para o país voltar crescer, para então o governo voltar a ser superavitário e consiga a tão sonhada capacidade de investimento perdida há anos. Lembrado que só a reforma em sim não faz as contas voltar ao azul.

Vale salientar que há uma tendência de corte de juros sinalizada pelo Banco Central até o final do ano, que renderá uma diminuição de gastos ao governo, pois um corte de 1% na taxa gera uma diminuição de aproximados 40 bilhões de gastos, quase metade do que se espera com a previdência, porem não é uma medida que deve ser usada politicamente.

A reforma tributaria é uma necessidade no Brasil, nem que não venha a diminuir impostos, mas que ao menos simplifique, o emaranhado de tributos e obrigações acessórias que temos criou um sistema que parece mais ser montado para enganar o sujeito além de pagar muitos tributos. Uma proposta de simplificação seria boa no atual cenário.

Que venha a reforma bancária ou do crédito. Lendo a ata do Copom acho “interessante” a consideração desse, que leva em consideração a influencia da taxa de juros do governo em relação a praticada pelos bancos. A SELIC hoje estar 6,5% ao ano, dependendo da linha de crédito isso é cobrado ao mês pelos bancos, acho difícil o banco considerar esse custo de oportunidade. Não é à toa as tantas regulamentações que o setor de crédito vem tendo, parece aqui que o liberalismo não funciona mesmo, precisa de mais ajustes como mostrado tendência pelo próprio governo e sinalizado pelo FMI. A menor taxa de juros no Brasil da historia não fez o crédito ficar mais barato na mesma proporção.

Por fim, o ano deve ficar perto da estagnação, esperar para ver os números no segundo semestre se serão melhores que o passado, creio em uma melhora devido a estímulos ao consumo que deve vir por parte do governo.

Por Rômulo Renan

Bruno Muniz 14 jul 2019 - 21:35m

0 Comentários

Deixe uma resposta


Império dos Camarões (Grande)
RC Tecidos (Grande)
Farma Fácil (Grande)
Cetias (Grande)
Clim Center (Grande)
Bezerra Poços (Grande)
Instituto Olavo Bilac (Grande)
JCL (Grande)
Immobilis Negócios Imobiliários

Unicesumar EAD (Grande)
Dr. Leonardo Brito
Alan Vidros (Grande)
Arrumadinho (Grande)
Cabeça Gesso (Grande)
Vitta (Grande)
Polo da Moda Campina (Grande)
Simone Joias (Grande)
Lis Bambini
JCL (Grande)