Destaques Pernambuco registra média de 44,6 acidentes com escorpião por dia entre janeiro e abril

Pernambuco registra média de 44,6 acidentes com escorpião por dia entre janeiro e abril


Ao todo, foram 5.354 casos de picada de escorpiões, 878 de abelhas e 425 de serpentes. No mesmo período de 2018, foram 5.648 acidentes com escorpiões, 872 com abelhas e 340 com serpentes.

Foto: Divulgação

De janeiro a abril de 2019, em Pernambuco, foram registrados 5.354 acidentes com escorpiões, 878 com abelhas, 425 com serpentes e 119 para aranhas, de acordo com o Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan). Os dados, divulgados pela Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE), apontam para uma média de 44,6 caos de picada de escorpião por dia no período. (Veja vídeo acima)

O número é próximo ao registrado nos quatro primeiros meses de 2018, quanto o estado computou 5.648 casos envolvendo escorpiões, com média de 47 casos por dia no período. De janeiro a abril do ano passado, foram também 872 incidentes com abelhas, 340 com serpentes e 118 para aranhas notificados à Secretaria de Saúde.

O envenenamento provocado pela picada por animais peçonhentos, como escorpião, pode ocasionar consequências diferentes em cada vítima e faz parte da Lista de Notificação Compulsória. Isso significa que as unidades de saúde devem informar os casos de acidentes aos serviços de vigilância e controle de zoonoses, facilitando assim ações de prevenção.

A Secretaria de Saúde alerta que, nesse período de chuvas, é mais comum o aparecimento de escorpiões, sobretudo em lugares úmidos como banheiros. Os grupos em que são mais registrados casos de ataque por escorpiões são crianças, idosos, trabalhadores da construção civil e donas de casa. O corpo do animal é pequeno e facilmente camuflado.

Entulhos armazenados nas residências e vias são outros atrativos para os escorpiões. Animais, como baratas e insetos, também servem como presas. Para os casos envolvendo serpentes, os mais propícios são os trabalhadores da zona rural do estado.

Através de uma ligação gratuita para o Centro de Assistência Toxicológica de Pernambuco (Ceatox), no telefone 0800 722 6001, é possível conseguir outras orientações, como a unidade de saúde mais próxima, por exemplo. Confira abaixo as unidades para tratamento de acidentes com animais peçonhentos no estado:

Hospital da Restauração – Recife (cobra e escorpião)

Hospital Jaboatão Prazeres – Jaboatão dos Guararapes (escorpião)

Hospital João Murilo – Vitória de Santo Antão (escorpião)

Hospital Belarmino Correia – Goiana (escorpião)

Hospital Mestre Vitalino – Caruaru (cobra e escorpião)

Hospital Regional Ruy de Barros Correia – Arcoverde (cobra e escorpião)

Hospital Professor Agamenon Magalhães – Serra Talhada (cobra e escorpião)

Hospital Regional Inácio de Sá – Salgueiro (cobra e escorpião)

Hospital Regional Fernando Bezerra – Ouricuri (cobra e escorpião)

Hospital Universitário – Petrolina (cobra e escorpião)

O que fazer em caso de acidente:

Procure atendimento médico imediatamente;

Informe ao profissional de saúde o máximo possível de características do animal, como: tipo de animal, cor, tamanho, entre outras;

Se possível, e caso tal ação não atrase a ida do paciente ao atendimento médico, lave o local da picada com água e sabão (exceto em acidentes por águas-vivas ou caravelas), mantenha a vítima em repouso e com o membro acometido elevado até a chegada ao pronto socorro;

Em acidentes nas extremidades do corpo, como braços, mãos, pernas e pés, retire acessórios que possam levar à piora do quadro clínico, como anéis, fitas amarradas e calçados apertados;

Não amarre (torniquete) o membro acometido e, muito menos, corte e/ou aplique qualquer tipo de substancia (pó de café, álcool, entre outros) no local da picada;

Especificamente em casos de acidentes com águas-vivas e caravelas, primeiramente, para alívio da dor inicial, use compressas geladas de água do mar. A remoção dos tentáculos aderidos à pele deve ser realizada de forma cuidadosa, preferencialmente com uso de pinça ou lâmina. Procure assistência médica para avaliação clínica do envenenamento e, se necessário, realização de tratamento complementar;

Não tente “chupar o veneno”, essa ação apenas aumenta as chances de infecção local. Com informações do G1

Bruno Muniz 04 jun 2019 - 17:30m

0 Comentários

Deixe uma resposta


Sollaris Energy (Grande)
Dra. Palloma Santana
Unicesumar EAD
Clim Center (Grande)
Immobilis Negócios Imobiliários
RC Tecidos (Grande)
Império dos Camarões (Grande)

New Corte
Unicesumar EAD
Dr. Leonardo Brito
Jasfac (Grande)
Larissa Marques (Tô na Fono)
Cold Car
Real Tags e Etiquetas (Grande)
Brisanet (Grande)
Vivo Santa Cruz