Destaques Morreu um herói da vida real – Por Beethoven Barbosa

Morreu um herói da vida real – Por Beethoven Barbosa


Stan Lee faleceu aos 95 anos no dia 12 de novembro de 2018. Não foi apenas um fato lamentável, mas é também uma perda irreparável. Escritor, editor e quadrinista, Stan Lee é um dos maiores ícones da cultura pop, digo é porque apesar de seu falecimento, o seu legado permanecerá para sempre, uma vez que ele é o marco do antes e do depois da história dos super-heróis.

O seu legado não se resume apenas em ser o grande responsável em transformar uma pequena editora em uma das maiores corporações do planeta (MARVEL), sua obra vai muito além disso. O Stan Lee revolucionou a própria maneira como o mundo vê o super-herói. Ates dele, os heróis, em sua grande maioria, eram escritos a apresentados como deuses ou seres extremamente virtuosos, depois dele surgiram heróis mais humanos, profundos e cheios de dilemas.

O Stan Lee criou heróis que não se encaixam nesses estereótipos de heróis imbatíveis, tendo em vista que ao criar heróis como o Homem Aranha, o Homem de Ferro, o Demolidor e os X-Men (apenas para citar alguns exemplos), surgem heróis que são mais identificáveis com as nossas dores, com a nossa solidão e os nossos problemas.

O Homem Aranha é um adolescente que ao mesmo tempo que é herói, tem que se preocupar também em pagar o seu aluguel e com o bullying que sofre na escola. O Homem de Ferro e o Doutor Estranho são homens prepotentes e arrogantes que a partir de uma série de tragédias e limitações físicas, buscam no heroísmo a sua redenção. Já os X-Men, são pessoas que já nasceram com poderes, e por conta disso são discriminados e tratados como uma ameaça a sociedade.

Os heróis criados se parecem mais conosco. Heróis que tem que acordar cedo para trabalhar, que tem problemas com a esposa e dilemas com a família. Heróis que muitas vezes são levados ao extremo, ao fundo do poço, para então, renascerem como uma Phoenix. Heróis que arrumam forças não se sabe de onde, e conseguem suportar o sofrimento e lutar pela justiça e pelo bem das pessoas. 

É por causa do Stan Lee que nós atualmente podemos ver os Vingadores no cinema. Foi por causa dele que a minha geração pôde assistir os X-Men e o Homem Aranha na TV aberta nos anos 90. Fica aqui a minha singela homenagem a esse velhinho que é o símbolo dos quadrinhos. Sou grato, pois na minha infância, encontrei nesses heróis (em especial no Homem Aranha), verdadeiras referências de altruísmo e empatia, na medida em que aprendi que se tem algo que pode dar um significado mais sofisticado à nossas vidas, é justamente manter-se digno mesmo em meio a solidão e ao sofrimento. Excelsior!

Por Beethoven Barbosa

Jefferson Elias 16 nov 2018 - 14:50m

0 Comentários

Deixe uma resposta


Império dos Camarões (Grande)
JCL (Grande)
Farma Fácil (Grande)
Immobilis Negócios Imobiliários
Cetias (Grande)
Bezerra Poços (Grande)
RC Tecidos (Grande)
Clim Center (Grande)

Simone Joias (Grande)
Alan Vidros (Grande)
Cabeça Gesso (Grande)
Arrumadinho (Grande)
Real Tags e Etiquetas (Grande)
Jasfac (Grande)
Dr. Leonardo Brito
Polo da Moda Campina (Grande)
JCL (Grande)
Best Net