Destaques A perigosa gordura na barriga — Por Helder Viegas

A perigosa gordura na barriga — Por Helder Viegas


Os últimos números só mostram o quão o Sobrepeso e a Obesidade tem aumentado no Brasil. E a obesidade abdominal é um dos grandes fatores de risco para diversas morbidades patologias associadas. Há dois tipos de gordura abdominal, a subcutânea, que se localiza a frente dos músculos abdominais, e a visceral, que se acumula entre as alças intestinais e órgãos internos como o fígado. Ambas apresentam riscos a saúde, mas estudos científicos comprovam que a visceral é a mais perigosa. 

A gordura localizada no abdômen é considerada um fator de alto risco para diversas morbidades consequentes e se encontra associada a efeitos deletérios tais como: níveis altos de triglicerídeos, baixos níveis do bom colesterol (HDL), resistência à ação da insulina e consequente elevação dos níveis glicêmicos (pré-diabetes e a Diabetes), aumento da gordura hepática: a famosa gordura no fígado denominada ESTEATOSE HEPÁTICA em vários níveis, prejudicando a formação de hormônios, vitaminas e substâncias que atuam no metabolismo das gorduras, Hipertensão arterial, que é a elevação da pressão arterial e outras patologias, enfim todas exemplos do que esta gordura pode causar no organismo.

Imagem meramente ilustrativa

O acúmulo de gordura visceral é também fator crucial de risco para as cardiopatias, que são as doenças cardiovasculares como o infarto do miocárdio e o AVC, hoje infelizmente tão comum e recorrente, porque o excesso de gorduras circulantes no organismo promovem o espessamento das artérias, com formação de placas de gordura que podem se desprender e obstruir os vasos.

Um método simples que pode ligar a “luz amarela” de risco para sua saúde é a medida de sua cintura. Meça sua cintura com uma fita métrica e o valor aferido para as mulheres ideal é que não ultrapasse os 88cm, já para os homens é 102cm. Caso ultrapasse estes valores, existe um risco científico comprovado para desenvolvimento dos males relacionados a este tipo de gordura e sua saúde. É indicado ficar alerta e buscar a o devido check up médico com exames bioquímicos e outros exames de imagem, assim como paralelamente profissionais da Nutrição e educação física para redução de tal medida e peso gorduroso corpóreo, por meio de plano alimentar balanceado e exercícios regulares.

Como já escrito em artigo anterior neste Blog, deixo 3 dicas para início de sua reeducação alimentar, para perda desta gordurinha visceral: 

Imagem meramente ilustrativa

1 – Diminua a quantidade de açúcar e alimentos açucarados ingeridos gradativamente;

2 – Evite consumir diariamente e em excesso alimentos gordurosos, como frituras, embutidos e carnes gordurosas;

3 – Substitua o pão e massas em demasia, por alimentos menos calóricos e mais saudáveis como por exemplo as raízes e tubérculos (inhame, cará, e outros)!

O maior trunfo contra esta gordura visceral é a mudança gradativa e definitiva do estilo de vida, visando à perda de peso gorduroso. Com a correta orientação alimentar, sem deixar o prazer de comer, mas com um processo adequado de reeducação alimentar é possível gradativamente chegarmos as metas almejadas de saúde acima de tudo. Sugestões e dúvidas sigam nosso Instagram profissional: @nutricionistahelderviegas, ou as enviem para o endereço oficial do mais completo Blog da Região! Até o próximo post com muito mais saúde e Nutrição de verdade! 

Nutricionista Helder Viegas

Especialista em Nutrição Clínica

Especialista em Fitoterapia e Suplementação Esportiva

Instagram: @NutricionistaHelderViegas

Bruno Muniz 18 nov 2018 - 0:23m

0 Comentários

Deixe uma resposta


Bezerra Poços (Grande)
Acqua Pet Capibaribe (Grande)
JCL (Grande)
Immobilis Negócios Imobiliários
RC Tecidos (Grande)
Farma Fácil (Grande)
Cetias (Grande)
Cuscuz da Moda (Grande)
Império dos Camarões (Grande)
Instituto Olavo Bilac (Grande)

Best Net
Dr. Leonardo Brito
JCL (Grande)
Lis Bambini
Real Tags e Etiquetas (Grande)
Cabeça Gesso (Grande)
Alan Vidros (Grande)
Vitta (Grande)
Design Riscos (Grande)
Polo da Moda Campina (Grande)